Esportista: Melhore o físico e aumente sua energia com massagem

Jogadores e atletas profissionais, além de ter a recomendação de massagens terapêuticas de seus treinadores, também adquirem o hábito de realizar a terapia antes e depois uma partida importante.

Se você deseja aumentar a sua competitividade e desempenho em musculação, é extremamente importante pensar sobre algumas possibilidades de recuperação.

A massagem pós-treino adequada pode oferecer grandes benefícios para a recuperação de um corpo cansado e dolorido: relaxamento, melhoria do sono, sensação de bem-estar, dilação dos vasos que permite a rápida eliminação do ácido láctico que causa dores musculares, ou seja, tanto o físico como mental saem mais preparados para as próximas atividades.

A terapia da massagem estimula o crescimento de uma organela dentro das células, chamada “mitochondria”, que é responsável pela produção de energia – o combustível do corpo.
O crescimento do número de mitocôndrias resulta na produção de mais energia para todo o corpo, e abastecido, há aumento do bom humor e consequente relaxamento mental.

Esta é uma das razões pela qual você adquire uma sensação de bem estar depois de uma sessão de massagem.

Outros benefícios da massagem para esportistas

Músculos tensionados e rígidos dificultam os movimentos e podem resultar em câimbras e lesões, assim, com a massagem o esportista irá ganhar mais mobilidade e pode prevenir-se de lesões perigosas e dores crônicas.

Os músculos exigidos durante uma sessão de musculação precisam de atenção para se evitar danos permanentes, então tem que se buscar o restabelecimento. A recuperação desses músculos e tecidos tensos ou danificados podem ser feitas através de massagem terapêutica que melhora a circulação corporal; também é possível abrir os poros da pele e aumentar a liberação de calor.

Para auxiliar no processo de recuperação, indicamos uma atenção especial também para a alimentação; pois complementando sua dieta com mais nutrientes,é possível repor o que foi perdido durante o treino.

Texto revisado por Maria Rita Hurpia da Rocha

Leia também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *